Cada dia que passa
Sonho mais
E nos sonhos me perco
Conspirando contra o destino
Plantando o que desejo.
Há!... Quantos suspiros.
Um sorriso na face
Uma vontade escondida
Um contentamento bobo
Sem razão de ser.
E lá vou eu,
Perambulando pelos caminhos
Uma ambulante do amor.
Não desejo mais que o sorriso na face de quem me inspira.
Na pele, o toque, de quem desejo.
Não desejo mais que o amor que me é oferecido
E de oferta tão generosa
Meu amor, negar, não devo
Pois sacrilégio e descaso seriam.


Alda Andréia Therkovsky.